O drama apresenta a história real da pintora Margaret Keane (Amy Adams), uma das artistas mais comercialmente rentáveis dos anos 1950 graças aos seus retratos de crianças com olhos grandes e assustadores. Defensora das causas feministas, ela teve que lutar contra o próprio marido no tribunal, já que o também pintor Walter Keane (Christoph Waltz) afirmava ser o verdadeiro autor de suas obras.

Filme sobre a história real da pintora Margaret Keane (Amy Adams),

Nesse artigo, identifiquei sete tendências para 2018 que, se eu fosse fosse você, ficaria de olho.
Confira e depois comente o que achou!

Dupla exposição e duotones

Se você também é apaixonado pelo efeito de dupla exposição em fotografias e na publicidade, é melhor já ir preparando o coração: o próximo ano promete trazer ainda mais o uso dessa técnica no design gráfico e web.
Montagens como as de Maulana Elwafleey serão cada vez mais comuns e populares:
Também vimos outro elemento ganhar força nos últimos anos: o Duotone.
Popularizado principalmente pelo uso na identidade visual do Spotify (chamado por alguns, inclusive, de “efeito spotify”) o Duotone tende a ganhar ainda mais força nos próximos anos.
Porém, já é possível observar o uso crescente dessas duas técnicas combinadas.
A união da dupla exposição com o Duotone cria um efeito interessante, como o designer gráfico Thomas Dimetto explorou muito bem em seu projeto que utiliza fotografias e cores contrastantes.

Cinemagraphs

Dar movimento a imagens aparentemente estáticas parece ser uma forte tendência, principalmente com a popularização dos GIF’s nos últimos anos.
Um cinemagraph consegue unir o melhor dos dois mundos: o dinamismo do vídeo e a praticidade e leveza de uma imagem estática.
Podemos aguardar um uso cada vez mais comum desse recurso em projetos web, como em páginas iniciais de sites.

A volta dos anos 80, com toques futuristas

Filmes como Guardiões da Galáxia, Thor: Ragnarok e a popular série Stranger Things aproveitaram e exploraram bastante a tendência de reviverem a estética dos anos 80.
Unir elementos futuristas à estética oitentista é uma forte tendência no design e em ilustrações. O elogiado Blade Runner 2049 explorou isso de forma incansável.
Podemos esperar cada vez mais o uso de elementos que remetem à essa época com um toque futurista, criando ambientes que abusam da atmosfera escura que contrasta com cores berrantes, que remetem ao clássico néon.
Pôster de James White

Tipografia criativa

Como chamar a atenção do espectador à sua mensagem principal? Aposte na tipografia criativa.
Títulos grandes e chamativos são uma forte tendência, que poderá ser cada vez mais explorada nos próximos anos.
Outra tendência para web é a tipografia com uma parte coberta por imagens e outros elementos, assim como as revistas fazem há bastante tempo.
No conceito abaixo, por exemplo, o designer Manuel Rovira utilizou esse recurso na palavra “Synopsis”.
A tipografia “caótica” também está ganhando cada vez mais espaço.
Muitos designers estão deixando a ordem para trás e apostando em um estilo ousado, que, quando bem utilizado, pode criar um efeito interessante, como utilizado nesse layout criado pelo designer Roman Naumenkov:

Imagens corrompidas/distorcidas

Talvez aproveitando o sucesso da estética dos anos 80, a tendência de reproduzir erros em imagens (como aqueles dos antigos videocassetes) está cada vez mais comum.
Efeito do tipo “Glitch” em imagens criam uma estética interessante, como nesse projeto do brasileiro Pedro Gabbay:
Assim como o proposital caos na tipografia, os efeitos de distorção em imagens podem ser explorados, mas devem ser utilizados com cuidado.

Espaço negativo

Já conhecido e amado pelos designers, o espaço negativo está cada vez mais popular em peças gráficas, principalmente àquelas voltadas para publicidade.
Lembra-se do sucesso da excelente campanha da ONG World For All Animal Care And Adoptions que utiliza de forma muito criativa o espaço negativo para representar um animal?
Outra forte tendência é o uso do espaço negativo na tipografia. Como dito anteriormente, a tipografia criativa tem um potencial enorme que pode ser explorado no próximo ano.
Um excelente exemplo é no projeto Favelagrafia e no surpreendente uso do espaço negativo para criar a palavra “Babilônia”:

Elementos em 3D

Assim como o uso do gradiente, o 3D também está de volta com força total, porém de um modo muito mais elegante do que no passado.
Se o flat design foi o queridinho dos designers nos últimos anos, podemos aguardar uma quebra desse padrão com a inserção de elementos 3D aliados ao minimalismo, criando um contraste muito interessante.
Layout de Andrew Roabish
O uso de elementos 3D na publicidade e na tipografia estarão cada vez mais presentes, como o anúncio do designer Kalpesh Patil criado para a Honda, tornando cada vez mais indispensável o conhecimento de designers e ilustradores em softwares 3D.
Outra forte tendência no uso de elementos 3D é o fundo basicamente da mesma cor que o objeto principal, tornando extremamente necessário o bom uso de sombras, reflexo e iluminação, como nesse projeto do designer Hugo Aranha:

Conclusão

A gente poderia ficar falando de muitas outras tendências para os próximos anos, mas nesse artigo eu quis me concentrar em apenas sete.
É claro que tendências não aparecem somente de um ano para o outro. Na realidade, o design e outras áreas criativas são dinâmicas e novos estilos, tendências e técnicas nunca param de surgir.
Cabe a cada profissional identificar essas mudanças (muitas vezes sutis) e decidir quando aplicá-las em seu trabalho, para que ele seja cada vez mais relevante ao mercado.
E você? Quer compartilhar alguma tendência que observou para 2018? Comente abaixo!

7 tendências de design gráfico e web para 2018

  Parceria do Oi Futuro com o Centro de Criação de Imagem Popular (Cecip), o Oi Kabum! Lab — Laboratórios de Cultura Digital é uma escola de formação em artes gráficas e digitais para jovens carentes. A cada ano, os projetos de fim de curso são apresentados ao público. 
  Na nona edição, sob o tema intervenções urbanas, a Mostra Interferências ganha as ruas de terça (23) a domingo (28). Na seleção, o projeto Tracatrá leva à Praça XV uma típica catraca de ônibus que emite frases de teor político quando alguém a faz girar. Outra atração, Sonhos da Rua (foto) expressa sonhos de moradores de rua por meio de cartazes e grafites no Campo de Santana. O acervo completo, com nove obras, estará em exposição no Centro de Artes Calouste Gulbenkian de 2 a 4 de fevereiro.

Mostra Interferências leva às ruas projetos de intervenção urbana

"Ex África" traz oitenta obras assinadas por artistas de oito países do continente africano.

A maior exposição de arte africana contemporânea já realizada no Brasil, Ex Africa abre as portas no sábado (20), no CCBB, com mais de oitenta obras assinadas por artistas de oito países. Dividida em quatro módulos, a mostra aborda a história da África, sua riqueza estética e sua cultura musical. Conheça cinco peças do acervo. Yemi Alade. A foto é um frame de Johnny, clipe da cantora nigeriana. Reproduzidos em looping, diversos vídeos na mostra revelam temáticas da música africana, como sexo, poder, riqueza e religião.
(J. D. 'Okhai Ojeikere/Divulgação)
J.D. ’Okhai Ojeikere. Nigeriano, o fotógrafo Ojeikere criou uma singular série dedicada a belos penteados das mulheres de seu país, a exemplo de Modern Suku (foto).
(Omar Victor Diop/Divulgação)
Omar Victor Diop. No projeto Diaspora, o artista senegalês apresenta autorretratos nos quais encarna tipos históricos com um toque contemporâneo, digamos, futebolístico. Na foto, ele é Albert Badin, servidor da corte sueca.
(White Cube Bermondsey/Reprodução)
Ibrahim Mahama. Obra do criador ganês, a instalação Fragments White Cube Bermondsey (foto), construída com material
doado por trabalhadores locais, é refeita em cada cidade por onde a mostra passa.
(Gunnar Meier/Divulgação)
Karo Akpokiere. Nascido na nigeriana Lagos, a segunda maior cidade da África, Akpokiere assina as ilustrações de forte influência pop da série Lagos Drawings.

› CCBB. Rua Primeiro de Março, 66, Centro. Quarta a segunda, 9h às 21h. Grátis. Até 26 de março. A partir de sábado (20).

Gigantesca mostra de arte contemporânea africana abre no CCBB

A exposição Cinco Amigos, que entra em cartaz nesta quarta-feira (17/1/2018), no Museu de Arte Contemporânea de Campinas “José Pancetti” (Macc), é uma homenagem dos artistas plásticos Dimas Garcia, Márcio Rodrigues e Vanderlei Zalochi aos amigos Mario Bueno (1906-2001) e Thomaz Perina (1921-2009), integrantes do Grupo Vanguarda. A entrada é gratuita.


A mostra é composta por 80 pinturas em tinta acrílica e óleo sobre tela, além de uma escultura de grandes dimensões assinada por Márcio Rodrigues. Os trabalhos de Garcia, Rodrigues e Zalochi foram produzidos especialmente para a exposição, enquanto os de Bueno e Perina pertencem a coleções particulares e nunca foram exibidas ao público em geral.


A IDEIA

A ideia da exposição-homenagem surgiu porque, durante décadas, Garcia, Rodrigues e Zalochi se reuniram semanalmente com Bueno e Perina para conversar sobre cultura. Os dois artistas fizeram parte do Grupo Vanguarda, talvez o mais importante movimento surgido no cenário da arte contemporânea de Campinas entre as décadas de 1950 e 1960.

Além de Mario Bueno e Thomaz Perina, integraram o Grupo Vanguarda os seguintes artistas plásticos e agitadores: Bernardo Caro, Edoardo Belgrado, Enéas Dedecca, Francisco Biojone, Franco Sacchi, Geraldo de Souza, Geraldo Jürgensen, Maria Helena Motta Paes e Raul Porto. Vamos prestigiar e conhecer um pouco mais sobre a arte produzida por aqui?

SERVIÇO

Exposição Cinco Amigos – Do Grupo Vanguarda à Contemporaneidade
Artistas: Dimas Garcia, Márcio Rodrigues, Vanderlei Zalochi, Mario Bueno e Thomaz Perina
Curadoria: Gilson Barreto
Produção artística: Ligia Testa
Abertura: 17 de Janeiro de 2018 (QUARTA-FEIRA), às 19h
Local: Museu de Arte Contemporânea de Campinas “José Pancetti” – Macc (Rua Benjamin Constant, 1.633, Centro, Campinas, SP, fone: 19 3236-4716) 
Visitação: De 18 de Janeiro a 4 de Março de 2018
Horário: Terças, quartas, sextas e sábados, das 10h às 18h; quintas, das 10h às 21h; domingos e feriados, das 9h às 12h

Preço: Entrada gratuita

Campinas: exposição homenageia artistas do Grupo Vanguarda

Vive e trabalha em Florianópolis. Antes de se dedicar às artes visuais, atuou como cartunista e chargista de jornais diários do sul do País. Desde então, faz uso de diversas linguagens em seu trabalho – instalações, performances, pintura, fotografia, vídeo, desenho e escultura. Já expôs individualmente em espaços de prestígio como a Galeria Flávio de Carvalho - Funarte (São Paulo); Centro Cultural Banco do Brasil no Rio de Janeiro; Instituto Tomie Ohtake (SP) e MAM - Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.

Fernando Lindote-chargista de jornais diários do sul do País.

Graduado pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo em 2010, desenvolve trabalhos que examinam as estruturas de poder contidas na produção da História, revelando as relações violentas entre as forças de poder e controle do Estado e os sujeitos sociais. Suas obras utilizam peças audiovisuais, objetos e textos críticos. Recentemente, realizou individuais no Centro Cultural Banco do Brasil no Rio de Janeiro, Centro Cultural São Paulo e SESC/SP. Já expôs também em coletivas no MAR – Museu de Arte do Rio, e no Museu Nacional do Mali. Tem obras em coleções públicas da Pinacoteca do Estado de São Paulo e do MAR.

Jaime Lauriano-Graduado pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo em 2010,

Não, não vamos falar de bitcoin. Veja quais são as principais áreas onde a inovação dará as caras muito em breve

modelo de propriedade de carros está começando a mudar, e a corrida pela inteligência artificial já começou. Os pets estão cada vez mais conectados com a tecnologia, e a prática de atividades físicas começa a sair das academias. Essas são algumas tendências que, segundo a empresa de inteligência de mercado CB Insights, vão moldar a indústria de tecnologia em 2018.
Hoje, empresas de todos os setores, e não apenas as gigantes da tecnologia, estão comprando e investindo em startups como uma forma de “terceirização da inovação”. “É tudo parte de um movimento de todas as indústrias para desenvolver produtos e serviços de base tecnológica”, avalia a CB Insights. Confira o que elas estão preparando para 2018:

1. Os carros se tornarão um serviço por assinatura
O usuário paga um valor mensal e dirige o carro quanto quiser. O pacote geralmente inclui seguro e manutenção. Tanto as grandes empresas automobilísticas quanto as startups estão desenhando modelos de “assinatura” para veículos. É uma aposta de que o modelo de negócio da indústria automobilística no futuro será completamente diferente, já que muitos consumidores não se importam mais em ter a propriedade de um carro. Eles querem usá-lo sem ter de lidar com dores de cabeça comuns a donos de veículos.

2. Uma corrida global pela supremacia em chips para inteligência artificial
Em 2017, houve uma verdadeira explosão de aplicativos de inteligência artificial, desde os que reconhecem rostos até os que detectam doenças. Mas quais serão os chips que suportarão o processamento dessa tecnologia? China e Estados Unidos estão em uma corrida para despontar nesse segmento. Hoje, a empresa líder em chips para processamento de inteligência artificial é a americana NVIDIA.

3. O crescimento de comunidades online 
Vídeos ao vivo já eram populares, mas eles não eram exatamente interativos. Mas o recente sucesso da HQ Trivia indica o que está por vir em 2018. O videogame em tempo real é transmitido duas vezes por dia, uma vez pela manhã e uma vez de tarde, desafiando jogadores a entrarem e a responderem a perguntas de forma rápida por um prêmio em dinheiro. O aplicativo, que está disponível apenas para iOS, alcançou o recorde de 200 mil usuários simultâneos em dezembro. São milhares de estranhos que usam o intervalo para café, almoço, ou o tempo que passam no ônibus ou no metrô, para compartilhar uma experiência online. Estávamos esperando esse momento já há algum tempo, e parece que há outras tentativas similares.

4. Uma grande repatriação de recursos de empresas de tecnologia dos EUA
Uma lei fiscal dos Estados Unidos permitirá que grandes corporações levem de volta a suas sedes os lucros obtidos em outros países a uma taxa de imposto menor, de 15,5%. Para empresas como Apple, Oracle, Alphabet e Microsoft, isso permite a repatriação de bilhões de dólares. O que as empresas farão com esse dinheiro? Há muitas oportunidades: desde recompra de ações a fusões e aquisições, passando por investimentos internos ou em startups. A Apple, em particular, tem um grande volume de recursos no exterior. São US$ 252 bilhões.

5. Fusões, aquisições e parcerias internacionais chamam a atenção dos reguladores
Ainda que a indústria de tecnologia muitas vezes se comporte como se não houvesse fronteiras, isso está mudando. Em 2017, o governo norte-americano barrou dois acordos com empresas estrangeiras envolvendo companhias de semicondutores e a China. O mais recente foi o bloqueio da aquisição da Semiconductor Corporation por um investidor chinês. Em comunicado, a Casa Branca listou algumas das razões para o bloqueio: as conexões com o governo chinês, a transferência de propriedade intelectual e o fato de a tecnologia ser usada pelo exército dos Estados Unidos. As tensões geopolíticas estão ditando o formato dos acordos.

6. As pessoas passam a levar a cibersegurança a sério
Escândalos envolvendo Equifax, Uber e Yahoo, os grandes ataques hackers de 2017, mostraram que há pouca garantia de que uma empresa possa proteger os dados de seus consumidores. E, uma vez vazados, as informações são praticamente impossíveis de rastrear. Com isso, muitos internautas começaram a buscar serviços e programas que os ajudem a manter seguros seus dados.

7. Computação em nuvem paga por segundo
Há alguns meses, a Amazon criou um sistema de cobrança por segundo para alguns serviços de sua divisão Amazon Web Services. Isso significa que os usuários podem acessar ferramentas específicas por um preço baixo. Isso, claro, teve repercussão na indústria como um todo. Rapidamente o Google seguiu a Amazon, criando um modelo similar para mais serviços na nuvem. Recentemente, outras empresas especializadas fizeram o mesmo.

Foi criado um precedente para uma tendência maior: empresas de computação em nuvem estão tentando lançar serviços acessíveis aos usuários que não podem pagar muito, como pequenas empresas e empreendedores. Por que isso é importante? O pagamento por segundo, de acordo com a CB Insights, é a mais recente manifestação da democratização e fragmentação do acesso a ferramentas potentes.

8. O futuro fitness está se afastando da academia
O mundo fitness está mais tecnológico e acessível. Graças a algumas tendências, para se manter em forma, uma pessoa não precisa mais ir à academia. Em primeiro lugar, estão os dispositivos conectados, como bicicletas que acompanham o desempenho do usuário. Outra tendência é o compartilhamento de vídeos ao vivo com amigos ou com um personal trainer, ou ainda de aulas de ginástica para que as pessoas acompanhem em casa.

9. Pílulas inteligentes que fazem diagnósticos
Em novembro, a FDA (órgão do governo americano para regulação de alimentos e medicamentos) aprovou a venda da primeria pílula inteligente do mercado. O produto é uma versão com sensores de um remédio para esquizofrenia e transtorno bipolar chamado Abilify. O remédio sinaliza quando foi ingerido, e a informação é enviada ao paciente, ao médico ou ao cuidador responsável. A Abilify é um medicamento bastante vendido nos Estados Unidos, ela já alcançou US$ 7 bilhões em vendas no ano. Outras pílulas inteligentes, especialmente as que têm câmeras e que podem ajudar a fazer diagnósticos, já foram testadas recentemente.

10. Produtos tecnológicos para pets
Em 2015, a Samsung lançou a Dream Doghouse, uma casinha tecnológica para cachorros, com um aparelho para alimentar automaticamente o pet, um tablet, grama falsa e uma piscina para hidroterapia. Este ano, o mercado de produtos tecnológicos para animais de estimação cresceu. A startup ZenCrate criou um dispositivo que toca música em momentos específicos para acalmar os cachorros e tem um ventilador ativado por movimento. Conectado à rede wifi, ele pode coletar e transmitir dados. Outras empresas vão além, como uma chamada Tesla Technology, de Hong Kong (não, não é a Tesla de Elon Musk), que criou uma casinha de cachorro equipada com um banheiro com descarga, temperatura regulada e jogos. A companhia de Hong Kong também criou um computador de tela pequena com câmera HD e microfone que tem aplicativos para aliviar a ansiedade dos bichinhos que ficam muito tempo sozinhos.

11. Varejo invade novos espaços
As pessoas estão comprando menos em lojas físicas. Boa parte das vendas migrou para a internet. Na próxima fase, as lojas físicas provavelmente serão mais descentralizadas, saindo das grandes lojas convencionais e de shoppings para novos nichos. Pense em lojas sem atendentes, em produtos que chegam de Uber na sua casa e em máquinas. Pode parecer estranho, mas em novembro o Walmart pediu a patente de um serviço que atuaria como uma loja sem atendentes dentro da sua casa. Os produtos seriam entregues provavelmente por um drone, em uma entrada específica. Sensores detectariam quais produtos foram retirados da prateleira, cobrariam o consumidor e programariam o abastecimento.

A empresa Bodega está tentando algo similar, um quiosque automatizado, que poderia ser instalado em prédios comerciais ou em espaços de coworking.

12. Hologramas se tornam um formato de realidade aumentada
A realidade aumentada está começando a criar aplicações reais para hologramas e a responder a algumas questões de como implementar essa tecnologia. Uma possibilidade é projetar hologramas a partir de smartphones — algo que a Apple já começou a explorar. A empresa já registrou a patente de uma tecnologia que poderia projetar imagens no ar. O novo sistema operacional da companhia também permite que desenvolvedores criem aplicativos de realidade aumentada para iPhone e iPad. 

Outras empresas estão explorando a realidade aumentada e os hologramas, como a Magic Leap, que pretende lançar um produto capaz de projetar hologramas em 2018. Já a Lightform está trabalhando em um computador que permita projetar hologramas em qualquer superfície.

Enquanto isso, as aplicações para a realidade aumentada também estão aumentando. A empresa Zebra Imaging criou uma funcionalidade para treinar militares e profissionais de inteligência. A companhia também usa mapas holográficos em 3D para coordenar esforços de ajuda após desastres.

13. As impressoras 3D deixam de ser novidade e se tornam uma ferramenta essencial para a indústria
Quando os primeiros objetos criados por impressoras 3D foram lançados, tinham um objetivo distante: a tecnologia poderia ajudar a substituir as cadeias de produção longas e espalhadas. A promessa era reduzir os custos com pessoal, eliminar erros humanos, diminuir os resíduos e eliminar os gastos com transporte. Graças à adoção das impressoras 3D por grandes varejistas e fabricantes de equipamentos, esse sonho está se tornando uma realidade.

14. A tecnologia ajuda a melhorar o cuidado com idosos
A tecnologia começou a ser usada em peso no cuidado com idosos. Várias empresas já lançaram robôs de companhia. Eles podem ajudar a lembrar de tarefas como a consulta ao médico ou o horário de tomar um remédio. Mas eles ainda não conseguem entender "aberrações" de comportamento — quantas vezes uma pessoa precisa comer ou ir ao banheiro? O que uma mudança de comportamento significa? É aí que entram as tecnologias de vigilância, com sensores que catalogam e analisam as atividades diárias dos idosos.

15. Grandes empresas de tecnologia atuando no setor imobiliário

O crescimento de empresas de tecnologia está começando a mexer nos preços das moradias próximas às suas sedes. O custo subiu tanto que algumas companhias precisam dar auxílio aos funcionários para que eles possam pagar o aluguel. Com a baixa disponibilidade de moradias, as grandes companhias de tecnologia estão impulsionando uma crise de habitação. Como resposta, estão construindo casas próprias. Em julho de 2017, o Google gastou cerca de US$ 30 milhões para comprar 300 casas pré-fabricadas para seus funcionários. No mesmo mês, o Facebook também revelou seus planos para um campus em Menlo Park, na Califórnia.


As 15 principais tendências de tecnologia para 2018

Artista espanhol Paco Pomet (previamente) referente a aparência de fotos de férias vintage e vastas paisagens históricas nas suas pinturas a óleo surreais, obras que oferecem um humor sutil de sua paleta, muitas vezes em tons de cinza. Ao tornar membros como tubos assustadoramente alongadas e adicionando toques de neon verde e laranja, Pomet traz suas imagens do passado para o futuro, insinuando um reino pós-apocalíptico onde os humanos são forçados a viver ao lado dos resíduos radioactivos que levou a seus corpos 'defeitos.

Pomet teve sua terceira exposição individual com Richard Heller Gallery em Santa Monica, no início deste verão. Você pode ver mais de seu trabalho em seu site portfólio.
PacoPomet_01
“Adam’s Office” (2016), oil on canvas, 120 x 160 cm

PacoPomet_08
“Childhood” (2016), oil on canvas, 60 x 80 cm
PacoPomet_04
PacoPomet_06
“The Visitor” (2016), oil on canvas, 120 x 140 cm
PacoPomet_05
“The Vermilion Case” (2016), oil on canvas, 60 x 80
PacoPomet_07
“Social” (2016), diptych, oil on canvas, 120 x 180 cm
PacoPomet_03
“The Landlord” (2016), oil on canvas, 120 x 140 cm
PacoPomet_02
FONTE:http://www.thisiscolossal.com/

ARTES - Novas Pinturas surreais que subvertem Vintage temporada Fotos e paisagens históricas - por Paco Pomet por Kate Sierzputowski em 10 de agosto

Os drones estão cada vez mais populares e caindo na mão de especialistas em fotografia. Quem ganha com isso são nossos olhos, em ver fotografias com ângulos incríveis na qual eram difíceis de encontrar antigamente.
Nesse post, selecionamos algumas das melhores fotografias de drones registradas em 2016 e que participam do International Drone Photography Award, uma espécie de premiação anual das melhores fotos registradas de drones.

Confira e comente qual foi sua imagem favorita.
FONTE:http://www.criatives.com.br/

ARTES-14 Das mais Impressionantes fotos de Drones registradas em 2016. São de tirar o fôlego!

REDE DE BLOGS